Pular para o conteúdo principal

Dia do pastor presbiteriano

Dia do pastor presbiteriano |
por Rev. Adenauer Lima
A data em que a Igreja Presbiteriana do Brasil (IPB) comemora o dia do pastor presbiteriano está ligada a história de dois importantes pastores de nossa denominação: Ashbel Green Simonton e José Manoel da Conceição
Como essa história começou
Rev. Ashbel Green Simonton
Voltemos ao ano de 1859. No dia 12 de agosto de 1859 chega ao Brasil, desembarcando na Baía de Guanabara (Rio de Janeiro), o primeiro presbiteriano a colocar os pés em solo tupiniquim, o missionário Ashbel Green Simonton.

O Rev. Simonton nasceu no dia 20 de janeiro de 1833, nos Estados Unidos da América, e após uma adolescência com alguns conflitos interiores resolve dedicar-se ao ministério da Palavra e ingressa no Seminário de Princeton. Quando ainda seminarista sentiu-se motivado pelo trabalho missionário e em meio a dúvidas quanto ao campo de atuação, Deus acabou por direcioná-lo rumo a um país chamado Brasil.
Às 9:30 da manhã de18 de junho de 1859 o Rev. Simonton parte dos EUA no navio Banshee em direção ao Rio de Janeiro, e depois de aproximadamente quarenta dias de viajem ele finalmente avista o local do desembarque e assim descreve a primeira impressão dessa terra chamada Brasil:
É um lugar lindo, o mais singular e impressionante que jamais vi. Nunca teria imaginado tal porto, com beleza sublime, protegido de ventos e ondas, e capaz de defesa contra ataques de mar ou de terra. Está em uma baía rodeada de curiosas ilhas e pedras, altas e sólidas. Algumas parecem ovos flutuando na água com uma das pontas para cima… A cidade está a cerca de duas milhas, sobre uma grande extensão de vales e montanhas; brilha o sol com suas paredes caiadas de branco. Fazendo fundo para essa linda pintura, há uma cadeia de morros altos montanhas.[1]
Sob o comando do Rev. Simonton foi criado o primeiro jornal evangélico do Brasil, o “Imprensa Evangélica” em novembro de 1864; um jornal que logo ganhou muito respeito mesmo entre o público não evangélico.
O trabalho no Brasil crescia contando com o apoio de dois outros missionários estrangeiros, o Rev. Blackford e o Rev. Schneider. E em 16 de dezembro de 1865 foi organizado o primeiro Presbitério da recém-chegada Igreja Presbiteriana em solo brasileiro. O primeiro Presbitério ficou conhecido como o Presbitério de Rio de Janeiro, e a reunião aconteceu em uma casa onde se reunia a Igreja Presbiteriana de São Paulo, na rua Nova de São José, no. 1 (hoje Rua Líbero Badaró, junto ao Largo de São Bento).
No dia seguinte (17 de dezembro de 1865), como assunto do recém-formado Presbitério do Rio de Janeiro, ocorreu a ordenação do ex-padre José Manoel da Conceição. Tendo em vista que, até então, todos os pastores protestante eram estrangeiros, José da Conceição figura como O primeiro pastor (nascido no Brasil) de toda história do protestantismo brasileiro.
O padre “protestante” e o Dia do Pastor Presbiteriano

Rev. José Manoel da Conceição
No período em que o Rev. Simonton começava seu trabalho missionário no Brasil, crescia no interior de São Paulo a fama de um padre que estava causando muita dor de cabeça à Igreja Católica brasileira. Seu nome era José Manoel da Conceição e devido às suas pregações contra o catolicismo ficou conhecido como “padre-protestante”. De tempo em tempo era transferido pela Igreja Católica, de paróquia em paróquia, a fim de que seus ensinos, anti-catolicismo romano, não tivessem muita influência nas comunidades por onde passava.
José Manoel da Conceição nasceu na cidade de São Paulo no dia 11 de março de 1822. Foi batizado na Igreja da Sé em São Paulo em 24 de março de 1822, tendo como padrinho o tio-avô, o padre José Francisco de Mendonça.
Cada vez mais afastando-se do catolicismo romano, comprou um sítio em Corumbataí nas proximidades de Rio Claro-SP. Ali ele tentou se isolar e procurar refletir sobre os anseios religiosos; as doutrinas romanas não lhe davam conforto nem paz de espírito.
Em 22 de outubro de 1863 o Rev. Blackford (cunhado do Rev. Simonton) partiu de São Paulo rumo a Rio Claro, tendo em vista auxiliar a Missão Presbiteriana que ali já possuía um trabalho. Em Rio Claro ouve falar acerca do padre de Brotas, que tinha fama de protestante. Não tardou para que Blackford fosse em busca desse famoso “padre-protestante”.
“A conversa não foi longa, mas tratou de assuntos vitais.
Blackford evitou tópicos polêmicos. Concluiu que o padre estava bem esclarecido sobre a ação do Espírito Santo; repetiu textos bíblicos da redenção em Jesus Cristo. Concordavam, padre e pastor.
Quando Blackford se retirou uma eternidade de alegria inundava o coração do padre.”[2]
Eis o início do notável ministério do primeiro pastor brasileiro. A partir desta visita muito foi mudado. Conceição desliga-se da Igreja Católica Romana e começa a pregar o evangelho não mais como padre, mas como um protestante convicto. Ainda não havia nenhum Seminário Presbiteriano em solo brasileiro, mas a capacitação de Conceição para assumir o pastorado era inegável. Dominava ele alguns idiomas além do português e sua bagagem teológica era facilmente percebida; talvez não fosse nenhum exagero afirmar que estava academicamente tão preparado quanto os próprios missionários presbiterianos estrangeiros que chegaram ao Brasil.
Em 16 de dezembro de 1865 o primeiro Presbitério foi organizado, e uma das finalidades da formação desse Presbitério foi a ordenação de Conceição ao Sagrado Ministério. Em 17 de dezembro de 1865 é ordenado (mesmo sem fazer ou refazer um curso teológico) ministro evangélico da Igreja Presbiteriana.
José Manoel da Conceição assim informa o Presbitério em um de seus primeiros relatórios:
“Aos 28 de fevereiro de 1866 sai de São Paulo pregando o Evangelho. Tomei a estrada do Sul para Sorocaba. Visitava as casas da estrada e pregava onde havia oportunidade.”[3]
O trabalho do ex-padre foi digno de nota. Ele visitava os locais onde havia sido padre para – agora pastor – pregar a mensagem do Evangelho. Viajava geralmente à pé ou no lombo de um cavalo. De São Paulo ao Rio de Janeiro foi andando pregando e fazendo obras de caridade.
Em homenagem ao Rev. José Manoel da Conceição a data de sua ordenação é lembrada sendo comemorado pela IPB o dia do pastor presbiteriano (17 de dezembro). Outras homenagens foram feitas a este notável personagem. No ano de 1928 foi fundado o Instituto Presbiteriano Rev. José Manoel da Conceição em Jandira – SP. E em 1980 o Seminário Teológico Presbiteriano “Rev. José Manoel da Conceição” inicia suas atividades como uma extensão do Seminário de Campinas. Justas homenagens a um dos principais pastores da Igreja Presbiteriana do Brasil.


[1] O Diário de Simonton (1852-1866), (São Paulo: 2ª. ed, Editora Cultura Cristã, 2002), p. 125.
[2] Boanerges Ribeiro, José Manoel da Conceição e a Reforma Evangélica, (São Paulo: O Semeador, 1995), p.33.
[3] Relatório do Rev. José Manoel da Conceição ao Presbitério do Rio de Janeiro 10 de julho de 1866.

Conheça o Institudo José Manoel da Conceição – http://www.facebook.com/institutojmc

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

PRVA se multiplica

Na última Reunião Extraordinária ocorrida nos dias 25 e 26 de agosto nas dependências da IP Primavera o PRVA foi desmembrado, gerando assim o Presbitério de Timóteo. Na ocasião compareceu a comissão designada pelo Sínodo Vale do Aço, que teve como seu relator o Rev. Flávio.
As novas diretorias ficaram da seguinte forma:

Nota de Esclarecimento-IPB

Por conta de recentes acontecimentos e questionamentos, esclarecemos mais uma vez publicamente que a Igreja Presbiteriana do Brasil não é apolítica e faz parte da construção de uma sociedade digna a todo cidadão brasileiro, consciente da sua herança judaico-cristã-reformada, tem um compromisso histórico e ideológico com a democracia, entendida como a participação direta do povo nos seus destinos através do voto, de apoia-la e contribuir positivamente para o seu desenvolvimento no Brasil e no Mundo. Tem também um compromisso, fundamentado no amor ao próximo, (Lv.19.18) com a justiça social, com o bem estar do povo, com a eliminação da miséria e da pobreza, (Dt.15.4) com a igualdade dos homens em todos os lugares, níveis, situações, independentemente de sexo, idade, ou condição social individual. (Dt.16). Além do compromisso com o desenvolvimento e a manutenção da paz entre os homens, a promoção da harmonia e da concórdia, tanto no seio da Igreja, como da comunidade nacional. (Mt.5.9).

Senhor Pastor Supremo, Nosso Modelo de Pastorado

Estaremos refletindo de 07 a 08 reflexões sobre o pastoreio. Creio que será de grande importância para nós pastores (docentes) e presbíteros (regentes) que também são pastores. Nossa primeira reflexão fundamenta-se no salmo 23. O tema é: "Senhor Pastor Supremo, nosso modelo de pastorado." Razões:  Ele supre as necessidades de todas as ovelhas (v. 1). Ele apascenta as ovelhas, dá repouso, em segurança arrebanha as ovelhas (v. 2; cf. Is 40: 11).