Pular para o conteúdo principal

O DOCE EVANGELHO DA GRAÇA

Alguém já disse que se fosse definir, diria que o evangelho “é o anúncio da graça”. E o grande apóstolo Paulo escreveu em Romanos que o evangelho da graça “é o poder de Deus para a salvação de todo aquele que crer” (Romanos 1: 16 -18).  
O evangelho da graça é o evangelho de Cristo. O evangelho que livra o homem das algemas da religiosidade, do farisaísmo ferrenho, do tradicionalismo que mata, dos dogmas religiosos que muitas das vezes nos oprimem.
É o evangelho que conduz o homem às pastagens verdejantes do reino de Deus. Trata-se de um evangelho lindo, pois nele o “Espírito sopra de maneira livre, indo além do legalismo vazio”, mecânico, oco, formal, muitas das vezes sem significado nenhum.

No evangelho da graça, como bem friso alguém, não “há vivência templária, contemplativa, formatada com base em estruturas fundamentadas de dogmas antigos, ritos e regras comportamentais”. O evangelho da graça nos ensina sermos éticos (a grande crise do momento), sem sermos moralistas, conforme era o grande pensador Dietrich Bonhoeffer ___ um dos principais teólogos do século 20, lido, respeitado e estudado por todo mundo, só não pelos fundamentalistas.    
Não podemos nos esquecer que a religiosidade legalista mata e maltrata, ao contrário do evangelho da graça, que é libertador, restaurador (João 08. 32). Trata-se de um evangelho que  traz vida abundante (João 10: 10). Não o evangelho do peso, nem do jugo (Mateus 11. 28 - 30), mas do alívio, da cura, da terapia, do refrigério e da restauração. Não da religiosidade da acusação, mas da graça libertadora  do perdão: “Onde é que estão os teus acusadores? Nem eu tão pouco te condeno, vai-te e não peques mais” (João 08. 9 -11).       
Portanto, como já dizia alguém, “esse legalismo baseado em relações de sacrifícios e méritos não pode substituir o evangelho da graça”, pois não estamos no tempo da lei, mas na era livre e graciosa inaugurada pelo Cordeiro “pascal”.    
No evangelho da graça Cristo pagou, quitou uma vez por todas para nos trazer libertação plena e completa: “Quando ele tomou o vinho, disse: “tudo está completado”. Tudo está quitado e pago” (João 19. 30). Ora meu amado, o evangelho da graça é muito simples, nós que o  complicamos, não é mesmo?       
Sem querer ser nenhum crítico, mas não posso negar que na maioria das vezes tenho observado uma mensagem muito forte dessas formas e ritos, dogmas e práticas, tentando impedir a ação preciosa do Espírito Santo, o que não faz da vida um estilo de festa, regozijo, júbilo e alegria para glória e louvor do Pai.
No evangelho da graça há alegria, libertação e louvor: “vamos começar a festejar, porque esse meu filho estava morto e viveu de novo, estava perdido e foi achado. Ecomeçaram a festa” (Lucas 15: 24 - 25).     
Portanto é bom sabermos que esse evangelho da “graça não vive nenhuma manutenção obcecada das chamadas formas religiosas, sejam elas provenientes de qualquer cultura, se da européia do século XVI, ou mesmo do caldo pop evangélico desenvolvido nas últimas décadas. Ora, essas coisas são, pois, secundárias!”.     

Neste momento não poderia deixar de descrever o lindo hino de Jhon Newton:

Preciosa a graça de Jesus,

que um dia me salvou.

Perdido andei, sem ver a luz,

mas Cristo me encontrou.

 

A graça,  então, meu coração,

do medo me libertou.

Oh, quão preciosa salvação,

a graça me outorgou!

 

Promessas deu-me o Salvador,

e nele eu posso crer.

É meu refugio e protetor,

em todo o meu viver.

 

Perigos mil atravessei,

E a graça me valeu.

Eu são e salvo agora irei,

ao santo lar do céu.

Finalmente, e apesar de todas as dificuldades da vida, que nos apeguemos ao evangelho da graça, pois “não há lugar mais cheio de graça”, do que no evangelho da graça.   

No Cristo da sola gratia,   

 

Edinaldo Felipe dos Santos

Bacharel em teologia e filosofia, pastor presidente fundador da Comunidade Presbiteriana Videiras. Presidente de honra e fundador da Associação Projeto Videiras

(031) 85172884

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Reforma Protestante - 31 de outubro

Em 31 de Outubro de 1517, Martinho Lutero afixou na porta da capela de Wittemberg 95 teses que gostaria de discutir com os teólogos católicos, as quais versavam principalmente sobre penitência, indulgências e a salvação pela fé. O evento marca o início da Reforma Protestante, de onde posteriormente veio a Igreja Presbiteriana, e representa um marco e um ponto de partida para a recuperação das sãs doutrinas.  Movido pelo amor e pelo empenho em prol do esclarecimento da verdade discutir-se-á em Wittemberg, sob a presidência do Rev. padre Martinho Lutero, o que segue. Aqueles que não puderem estar presentes para tratarem o assunto verbalmente conosco, o poderão fazer por escrito.  Em nome de nosso Senhor Jesus Cristo. Amém.     1ª Tese Dizendo nosso Senhor e Mestre Jesus Cristo: Arrependei-vos...., certamente quer que toda a vida dos seus crentes na terra seja contínuo arrependimento.  2ª Tese E esta expressão não pode e não deve ser interpretada como referindo-se ao sacramento da penitên

Participação Indigna na Ceia

by João Calvino Fonte: As Institutas – volume 4, João Calvino, Cultura Cristã, pág. 28-9. Alguns, querendo preparar os homens para a digna participação do sacramento, têm afligido e atormentado cruelmente as pobres consciências, sem todavia lhes ensinarem nada do que é necessário ensinar. Dizem eles que para comer dignamente a Ceia é preciso estar em estado de graça. E interpretam que estar em estado de graça é estar purificado de todo pecado. Por esse ensino, todos os homens que estiveram e estão na terra seriam excluídos do uso deste sacramento. Porque, se é questão de considerarmos a nossa dignidade em nós, significa que esta é feita por nós! Isso só nos pode causar ruína e confusão. Ainda que nos empenhemos com todas as nossas forças, nada conseguiremos, senão que acabaremos sendo mais indignos ainda, isso quando a duras penas lograrmos encontrar alguma dignidade em nós.

Convocação RO-2020

Do: Secretário Executivo do PRVA Aos: Conselhos e Pastores Assunto: Convocação para LIV Reunião Ordinária do PRVA Saudações,      Conforme atribuições constitucionais e mediante decisão do PRVA em sua Ata nº  111 da LIII  RO, remeto termo de convocação do PRVA para sua LIV Reunião Ordinária  que ocorrerá entre os dias 17, 18 e 19 de dezembro de 2020, com verificação de Poderes às 19:00h da 5ª feira,  dia 17, na Igreja Presbiteriana do Floresta.      Lembramos aos amados que, para o Representante de Igreja necessário se faz:  Credencial; Livro de Atas e; Relatórios da Igreja, conf. art. 1º $3º do Modelo de  Regimento Interno Para os Presbitérios.      O Ministro, por sua vez, deve apresentar:  Carteira de Ministro; Relatório de Atividades  referente ao ano eclesiástico, conf. art. 1º $4º do Modelo de Regimento Interno. Para os Presbitérios e; Por decisão do PRVA doc. nº. 55 da XLIII RO e doc. nº 61 da XLV RO/PRVA apresentação do carnê de contribuição ao INSS – últimas 12 parcelas.