Pular para o conteúdo principal

O DOCE EVANGELHO DA GRAÇA

Alguém já disse que se fosse definir, diria que o evangelho “é o anúncio da graça”. E o grande apóstolo Paulo escreveu em Romanos que o evangelho da graça “é o poder de Deus para a salvação de todo aquele que crer” (Romanos 1: 16 -18).  
O evangelho da graça é o evangelho de Cristo. O evangelho que livra o homem das algemas da religiosidade, do farisaísmo ferrenho, do tradicionalismo que mata, dos dogmas religiosos que muitas das vezes nos oprimem.
É o evangelho que conduz o homem às pastagens verdejantes do reino de Deus. Trata-se de um evangelho lindo, pois nele o “Espírito sopra de maneira livre, indo além do legalismo vazio”, mecânico, oco, formal, muitas das vezes sem significado nenhum.

No evangelho da graça, como bem friso alguém, não “há vivência templária, contemplativa, formatada com base em estruturas fundamentadas de dogmas antigos, ritos e regras comportamentais”. O evangelho da graça nos ensina sermos éticos (a grande crise do momento), sem sermos moralistas, conforme era o grande pensador Dietrich Bonhoeffer ___ um dos principais teólogos do século 20, lido, respeitado e estudado por todo mundo, só não pelos fundamentalistas.    
Não podemos nos esquecer que a religiosidade legalista mata e maltrata, ao contrário do evangelho da graça, que é libertador, restaurador (João 08. 32). Trata-se de um evangelho que  traz vida abundante (João 10: 10). Não o evangelho do peso, nem do jugo (Mateus 11. 28 - 30), mas do alívio, da cura, da terapia, do refrigério e da restauração. Não da religiosidade da acusação, mas da graça libertadora  do perdão: “Onde é que estão os teus acusadores? Nem eu tão pouco te condeno, vai-te e não peques mais” (João 08. 9 -11).       
Portanto, como já dizia alguém, “esse legalismo baseado em relações de sacrifícios e méritos não pode substituir o evangelho da graça”, pois não estamos no tempo da lei, mas na era livre e graciosa inaugurada pelo Cordeiro “pascal”.    
No evangelho da graça Cristo pagou, quitou uma vez por todas para nos trazer libertação plena e completa: “Quando ele tomou o vinho, disse: “tudo está completado”. Tudo está quitado e pago” (João 19. 30). Ora meu amado, o evangelho da graça é muito simples, nós que o  complicamos, não é mesmo?       
Sem querer ser nenhum crítico, mas não posso negar que na maioria das vezes tenho observado uma mensagem muito forte dessas formas e ritos, dogmas e práticas, tentando impedir a ação preciosa do Espírito Santo, o que não faz da vida um estilo de festa, regozijo, júbilo e alegria para glória e louvor do Pai.
No evangelho da graça há alegria, libertação e louvor: “vamos começar a festejar, porque esse meu filho estava morto e viveu de novo, estava perdido e foi achado. Ecomeçaram a festa” (Lucas 15: 24 - 25).     
Portanto é bom sabermos que esse evangelho da “graça não vive nenhuma manutenção obcecada das chamadas formas religiosas, sejam elas provenientes de qualquer cultura, se da européia do século XVI, ou mesmo do caldo pop evangélico desenvolvido nas últimas décadas. Ora, essas coisas são, pois, secundárias!”.     

Neste momento não poderia deixar de descrever o lindo hino de Jhon Newton:

Preciosa a graça de Jesus,

que um dia me salvou.

Perdido andei, sem ver a luz,

mas Cristo me encontrou.

 

A graça,  então, meu coração,

do medo me libertou.

Oh, quão preciosa salvação,

a graça me outorgou!

 

Promessas deu-me o Salvador,

e nele eu posso crer.

É meu refugio e protetor,

em todo o meu viver.

 

Perigos mil atravessei,

E a graça me valeu.

Eu são e salvo agora irei,

ao santo lar do céu.

Finalmente, e apesar de todas as dificuldades da vida, que nos apeguemos ao evangelho da graça, pois “não há lugar mais cheio de graça”, do que no evangelho da graça.   

No Cristo da sola gratia,   

 

Edinaldo Felipe dos Santos

Bacharel em teologia e filosofia, pastor presidente fundador da Comunidade Presbiteriana Videiras. Presidente de honra e fundador da Associação Projeto Videiras

(031) 85172884

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

PRVA se multiplica

Na última Reunião Extraordinária ocorrida nos dias 25 e 26 de agosto nas dependências da IP Primavera o PRVA foi desmembrado, gerando assim o Presbitério de Timóteo. Na ocasião compareceu a comissão designada pelo Sínodo Vale do Aço, que teve como seu relator o Rev. Flávio.
As novas diretorias ficaram da seguinte forma:

Nota de Esclarecimento-IPB

Por conta de recentes acontecimentos e questionamentos, esclarecemos mais uma vez publicamente que a Igreja Presbiteriana do Brasil não é apolítica e faz parte da construção de uma sociedade digna a todo cidadão brasileiro, consciente da sua herança judaico-cristã-reformada, tem um compromisso histórico e ideológico com a democracia, entendida como a participação direta do povo nos seus destinos através do voto, de apoia-la e contribuir positivamente para o seu desenvolvimento no Brasil e no Mundo. Tem também um compromisso, fundamentado no amor ao próximo, (Lv.19.18) com a justiça social, com o bem estar do povo, com a eliminação da miséria e da pobreza, (Dt.15.4) com a igualdade dos homens em todos os lugares, níveis, situações, independentemente de sexo, idade, ou condição social individual. (Dt.16). Além do compromisso com o desenvolvimento e a manutenção da paz entre os homens, a promoção da harmonia e da concórdia, tanto no seio da Igreja, como da comunidade nacional. (Mt.5.9).

Senhor Pastor Supremo, Nosso Modelo de Pastorado

Estaremos refletindo de 07 a 08 reflexões sobre o pastoreio. Creio que será de grande importância para nós pastores (docentes) e presbíteros (regentes) que também são pastores. Nossa primeira reflexão fundamenta-se no salmo 23. O tema é: "Senhor Pastor Supremo, nosso modelo de pastorado." Razões:  Ele supre as necessidades de todas as ovelhas (v. 1). Ele apascenta as ovelhas, dá repouso, em segurança arrebanha as ovelhas (v. 2; cf. Is 40: 11).