Pular para o conteúdo principal

SÍNDROME DE BURNOUT e o trabalho dos pastores da Igreja Presbiteriana do Brasil no estado de Minas Gerais

9 de abril de 2014 // In Dissertação
SÍNDROME DE BURNOUT e o trabalho dos pastores da Igreja Presbiteriana do Brasil no estado de Minas Gerais

https://www.facebook.com/acos73
Mestrando(a): ANA CRISTINA DE OLIVEIRA SANTOS
Orientador(a): Prof. Dr. Luiz Carlos Honório
Esta pesquisa teve por objetivo analisar as dimensões da síndrome de burnout em pastores evangélicos da Igreja Presbiteriana do Brasil no estado de Minas Gerais. Consistiu em um estudo de caso descritivo, com abordagem quantitativa e qualitativa. Na abordagem quantitativa, foi utilizado o questionário Maslach Burnout Inventory (MASLACH; JACKSON, 1981; 1986), instrumento composto por 22 itens e adaptado pelo pesquisador Codo (1999), com uma amostra de 94 pastores.
Para o tratamento dos dados quantitativos, foram utilizadas as técnicas univariada e bivariada. Na abordagem qualitativa, foram realizadas dez entrevistas semiestruturadas, para o aprofundamento dos dados obtidos na pesquisa quantitativa. Na análise descritiva, observou-se nível mediano de burnout para a dimensão “baixa realização profissional”, enquanto para a dimensão despersonalização houve uma tendência para ausência de burnout. Evidenciou-se uma situação mediana de burnout para o indicador de exaustão emocional “Trabalho com pessoas o dia todo e isso me exige um grande esforço”. Novamente, destacou-se uma situação de nível baixo de burnout para a dimensão “despersonalização”, com destaque para o fato de os pastores alegarem não tratar seus membros como objeto. Quanto às variáveis em relação à dimensão “baixa realização profissional”, constatou-se um nível mediano de burnout para o indicador “Sinto-me com muita vitalidade”.  Na análise bivariada, evidenciou-se diferença significativa de escores nas dimensões “exaustão emocional” e “baixa realização profissional em que os pastores mais novos se queixam mais da exaustão emocional”, quando comparados aos pastores mais velhos. Os pastores mais novos também se sentem menos realizados profissionalmente que os mais seniores. Comprovou-se, ainda, que os pastores com menos de 16 anos de trabalho apresentam maior nível de exaustão emocional quando comparados aos pastores que estão no ministério há mais de 16 anos. Demonstrou-se também que os pastores com até 5 anos de trabalho na igreja anterior apresentam maior exaustão emocional  em comparação aos pastores com tempo de trabalho na igreja anterior acima de 6 anos, em que esse nível de exaustão diminui. Constatou-se que os pastores efetivos apresentaram um quadro de baixa realização profissional em relação aos auxiliares e aos evangelistas. Para a análise dos resultados qualitativos, foi possível descrever uma série de subcategorias, ressaltando-se somente as mais relevantes para os dez entrevistados, as quais foram: para “exaustão emocional”, cansaço físico, relações interpessoais, envolvimento emocional e amadurecimento profissional; para “despersonalização”, a qualidade das relações; para “baixa realização profissional”, cobranças por resultados, complexidade do trabalho e entendimento do ministério pastoral; para “significado do trabalho pastoral”, a importância do trabalho; para “prazer no trabalho pastoral”, evidências do trabalho pastoral; para “sofrimento no trabalho pastoral”, apoio e reconhecimento; e para “estratégias para lidar com burnout”, importância do trabalho. Tal levantamento teve por objetivo diagnosticar em quais dimensões os pastores da Igreja Presbiteriana do Brasil estão mais propensos a desenvolver, ou não, a síndrome de burnout.

BANCA EXAMINADORA:

Prof. Dr. Luiz Carlos Honório
ORIENTADOR (Faculdade Novos Horizontes)


Prof. Dr. Luciano Zille Pereira
Faculdade Novos Horizontes
Profª Drª Simone Costa Nunes
PUC-MINAS Linha de Pesquisa: Relações de Poder e Dinâmica das Organizações

Área de concentração: Organização e estratégia

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

PRVA se multiplica

Na última Reunião Extraordinária ocorrida nos dias 25 e 26 de agosto nas dependências da IP Primavera o PRVA foi desmembrado, gerando assim o Presbitério de Timóteo. Na ocasião compareceu a comissão designada pelo Sínodo Vale do Aço, que teve como seu relator o Rev. Flávio.
As novas diretorias ficaram da seguinte forma:

Senhor Pastor Supremo, Nosso Modelo de Pastorado

Estaremos refletindo de 07 a 08 reflexões sobre o pastoreio. Creio que será de grande importância para nós pastores (docentes) e presbíteros (regentes) que também são pastores. Nossa primeira reflexão fundamenta-se no salmo 23. O tema é: "Senhor Pastor Supremo, nosso modelo de pastorado." Razões:  Ele supre as necessidades de todas as ovelhas (v. 1). Ele apascenta as ovelhas, dá repouso, em segurança arrebanha as ovelhas (v. 2; cf. Is 40: 11).

Nota de Esclarecimento-IPB

Por conta de recentes acontecimentos e questionamentos, esclarecemos mais uma vez publicamente que a Igreja Presbiteriana do Brasil não é apolítica e faz parte da construção de uma sociedade digna a todo cidadão brasileiro, consciente da sua herança judaico-cristã-reformada, tem um compromisso histórico e ideológico com a democracia, entendida como a participação direta do povo nos seus destinos através do voto, de apoia-la e contribuir positivamente para o seu desenvolvimento no Brasil e no Mundo. Tem também um compromisso, fundamentado no amor ao próximo, (Lv.19.18) com a justiça social, com o bem estar do povo, com a eliminação da miséria e da pobreza, (Dt.15.4) com a igualdade dos homens em todos os lugares, níveis, situações, independentemente de sexo, idade, ou condição social individual. (Dt.16). Além do compromisso com o desenvolvimento e a manutenção da paz entre os homens, a promoção da harmonia e da concórdia, tanto no seio da Igreja, como da comunidade nacional. (Mt.5.9).